Saiba mais sobre
TERAPIAS

 

FLORAIS DE BACH

 

Essa terapia eleva nossas vibrações mais sutis e abre nossos canais energéticos.

Não ataca a moléstia, mas inunda o corpo com vibrações da Natureza Superior.

Traz o equilíbrio do padrão vibratório. Os bloqueios nestes canais provocam doenças.

 

Menu Na Mídia »


Indique este site



 

MATÉRIA PUBLICADA NO SITE www.emagrecendo.com.br

    

Reflexologia para o equilíbrio do organismo!


A Reflexologia é uma técnica específica de pressão que atua em pontos reflexos precisos dos pés, com base na premissa de que as áreas reflexas dos pés correspondem a todas as partes do corpo. Como os pés representam um microcosmo do corpo, todos os órgãos, glândulas e outras partes estão dispostas num arranjo similar ao dos pés.

A pressão é aplicada nas áreas reflexas com os dedos das mãos e usando técnicas específicas. Isso provoca mudanças fisiológicas no corpo, à medida que o próprio potencial de equilíbrio do organismo é estimulado. A meta da Reflexologia é o retorno da harmonia.

O relaxamento é o primeiro passo da normalização. Quando o corpo está relaxado, o tratamento é possível. A massagem profissional dos pés mostra quais partes do corpo estão fora de equilíbrio e portanto não funcionam eficientemente. Pode-se então ministrar o tratamento apropriado para corrigir esses desequilíbrios e fazer o corpo retornar a um estado ótimo de saúde.

A massagem reflexa dos pés é útil no tratamento de doenças e eficaz para manter a saúde e prevenir o aparecimento de doenças.

A Reflexologia pode ser considerada uma ‘regulagem', um ajuste do corpo. O reflexologista não cura - só o corpo é capaz de fazê-lo, mas ajuda a equilibrar todos os sistemas corporais, estimulando uma área pouco ativa e acalmando uma superativa.

O stress faz parte da nossa vida cotidiana e, se não o controlarmos, as defesas do corpo começam a diminuir, tornando-nos mais suscetíveis às doenças.

Em geral, acredita-se que de 75% a 80% das doenças se devem ao stress e a Reflexologia é capaz de induzir a um estado de tranqüilidade e relaxamento profundo. Em uma sessão a maioria das pessoas adormece e desperta com uma maravilhosa sensação de bem-estar e harmonia interior.

A Reflexologia impulsiona o sistema imunológico e assim previne doenças e enfermidade. Além disso, melhora a circulação, desintoxica o corpo, revitaliza a energia, melhora a função mental e estimula a libertação emocional.

Trata também doenças comuns, como dor e desconforto geral, dores nas costas, de cabeça, ciática, dor nos ombros, nos quadris, na cervical (pescoço), constipação intestinal, ressaca, enxaqueca, insônia e outros.

Está esperando o que?Aproveite está técnica e relaxe!

Matéria por: Talita de Oliveira - Jornalista - Emagrecendo.com.br


REFLEXOLOGIA

 

Vitalidade a seus pés

Na frente da TV, antes de dormir ou em qualquer momento que possa tirar os sapatos, aproveite para tocar seus pés. Basta alguns minutos para que a sensação de bem-estar se espalhe pelo corpo todo. Esse gesto simples é a base da reflexologia, uma técnica milenar praticada por chineses e egípcios que estuda a relação de pontos específicos dos pés com os órgãos vitais. Foi trazida para o Ocidente no início do século 20 pelo médico americano William Fitzgerald e usada como recurso na hora de fazer diagnósticos ou prevenir doenças variadas.

O que a princípio despertava apenas curiosidade entre especialistas ocidentais virou assunto sério, e depois de muitos testes, realizados ainda no início do século 20, vários hospitais americanos – entre eles Boston City, Saint-Francis, Connecticut e Hartford – concluíram que a massagem nos pés indicava doenças. Dependendo do tipo e da intensidade da dor que o paciente sentisse, o médico identificava os órgãos comprometidos e fazia o diagnóstico. Hoje, a reflexologia é praticada em mais de 20 países, inclusive no Brasil.

Por que o efeito é positivo
A eficácia e os benefícios da prática regular da reflexologia são reconhecidos, mas orientais e ocidentais discordam sobre seu mecanismo de ação. Para os especialistas do Oriente, a técnica se baseia na livre circulação da energia vital, chamada ch’i. Quando determinado órgão apresenta excesso ou falta dessa energia, surgem dores ou doenças como sinal de alerta. O papel da massagem nos pés é justamente o de desbloquear e harmonizar o fluxo energético nos órgãos, assim eles funcionam melhor e a saúde é restabelecida.

Até o cérebro
Os ocidentais, por outro lado, descartam a idéia de uma energia invisível e explicam os efeitos com base na medicina. Os pés têm milhares de terminações nervosas e se ligam, através delas, ao restante do corpo. O médico Zang-Hee Cho, da Universidade da Califórnia, comprovou que sensibilizando determinada região do pé ativa-se a área do córtex cerebral correspondente ao reflexo.

“Com a massagem, essas terminações são despertadas e enviam estímulos para o cérebro, que ativa o sistema imunológico, beneficiando sua saúde em geral ou algum problema específico”, explica Armando Sérgio Austregésilo, presidente da Associação de Massagem Oriental do Brasil e autor dos livros Massagem e Sensibilidade e Curso de Massagem Oriental (ed. Ediouro).

“Observamos se alguma região do pé apresenta maior sensibilidade à dor e qual o órgão ligado a esse ponto. Se for o do estômago, é possível que a pessoa costume comer rápido demais ou que a qualidade da alimentação deixe a desejar. Consciente disso, pode-se mudar os hábitos e evitar problemas mais sérios. A prevenção é a principal função da reflexologia”, completa Sérgio.

Mãos e orelhas
Existem várias zonas reflexas no corpo, além dos pés. Mãos, orelhas, rosto, costas e abdômen concentram pontos reflexos que podem ser massageados. Os pés são os que têm a correspondência mais definida e de fácil localização. Os profissionais da reflexologia consideram que os pés reagem mais rápido aos estímulos. “As zonas reflexas da mão são menos sensíveis à massagem superficial, o que torna os pontos doloridos e difíceis de localizar”, explica a terapeuta corporal Diana Valer.

O grego Hipócrates (460-380 a.C.), pai da medicina, já usava os pontos das orelhas para tratar seus doentes. A auriculoterapia foi retomada por volta de 1950 pelo médico francês Paul Nogier. “Os pontos reflexos da orelha podem ser estimulados com o polegar e o indicador ou com o uso de agulhas colocadas apenas por profissionais”, explica Diana Valer.

 Conte com esse alívio
Segundo a medicina chinesa, cada sentimento mexe com um órgão vital e, se for intenso ou vivido por um período prolongado, pode até comprometer a saúde. “A raiva vai direto ao fígado, o medo atinge os rins, a preocupação, a vesícula, a tristeza, o pulmão, e a ansiedade, o coração”, ensina o especialista Armando Austregésilo.

Ao massagear seus pés nas áreas correspondentes a esses órgãos (indicadas ao lado), você também dissolve essas emoções e ganha tranqüilidade.

Veja abaixo os toques certos para aliviar ou prevenir males relacionados ao corpo e às emoções.

• Estresse – Já que ele não é uma doença, mas um conjunto de sintomas, o ideal é massagear os pés por inteiro, especialmente na área reflexa da coluna, que costuma doer muito quando estamos estressados.
• Insônia – Massageie a lateral externa dos pés, desde o calcâneo até o quinto dedo. Isso ajuda a desligar o carrossel de pensamentos que não deixa você dormir.
• Cansaço – Região central dos pés, relacionada a estômago, rins e intestino e ao bom fluxo de energia.
• Depressão – Área correspondente aos pulmões e ao intestino grosso.
• Ansiedade – Se a ansiedade for do tipo coronário, que vem acompanhada de uma dificuldade de pensar e agir, massageie a região central dos pés, relacionada ao plexo solar. Se for causada por estados depressivos ou tristeza prolongada, massageie a área dos pulmões e do intestino grosso.
• TPM – Dê atenção especial à região de rins, baço e pâncreas, ligada à satisfação e à alegria de viver.

Muitas maneiras de massagear os pés
Sempre que sentir necessidade de relaxar, não hesite e massageie os pés. “Além da pressão dos dedos, vale pisar sobre uma bolinha de tênis ou bambu, usar massageador elétrico ou de madeira”, sugere a terapeuta corporal Diana Valer, diretora da Humaniversidade, de São Paulo. A massagem não precisa ser demorada: cinco minutos por dia são suficientes para relaxar e despertar sensações boas. Andar descalço sempre que possível é outra ótima pedida, especialmente na areia. “Chinelos especiais, com saliências rígidas na parte interna, têm um ótimo efeito. Caminhar com eles por dez minutos, em dias alternados, é o bastante para estimular os órgãos vitais”, finaliza Diana.
Sinais de alerta
Ao massagear os pés, você pode aproveitar para perceber como anda sua saúde e quais são seus pontos mais sensíveis – basta seguir a orientação do especialista em reflexologia Armando Sérgio Austregésilo, de São Paulo. Use óleo essencial ou hidratante e, com o polegar, procure identificar as áreas doloridas nos dois pés e veja na figura da página ao lado quais são os órgãos correspondentes a essas zonas reflexas.

Nas áreas mais sensíveis, faça massagem todos os dias, sem fazer força. “A dor tende a diminuir, o que significa que o corpo já desenvolveu um estímulo adequado para lidar com o problema”, diz o terapeuta.

Há duas formas de fazer a massagem, de preferência com os polegares: em movimentos circulares ou pressionando a região. “Tente as duas maneiras”, sugere Armando. “A mais indicada é a que suaviza a dor em até dois minutos.” Se depois de uma semana de prática diária a dor não sumir, procure o médico para investigar se há algum problema.

ATENÇÃO!
• Grávidas ou doentes crônicos devem perguntar ao médico se não há contra-indicações na prática regular da automassagem.
• Caso algum ponto dos pés apresente dor insuportável, o melhor é interromper a massagem e investigar com médicos ou terapeutas corporais a causa da dor.
Texto: Mariana Viktor
Reportagem Fotográfica: Camile Comandini
Fotos: César Cury
Ilustração: Paulo Nilson
MATÉRIA DA REVISTA BONS FLUIDOS DA EDITORA ABRIL junhO 2004

Indique este site



30 anos de qualidade de vida

Nas últimas três décadas, muitas novidades entraram na ordem do dia. Ioga, comida orgânica, antioxidantes e budismo são algumas das palavras-chave que apontam saídas saudáveis para cuidar de si mesmo e do planeta. Fique por dentro
de conceitos e práticas que estão dando o que falar.

Se a pessoa é sossegada, logo a chamam de zen. Se a tensão apertou, todo mundo lembra, mesmo que não vá, que há spas. E até palavras de sonoridade estranha – hindus e chinesas, como aiurveda, chacra, ch’i – ganharam naturalidade na fala dos brasileiros.

Ninguém pode negar: a linguagem é parte da história. Os termos novos ajudam a contar os costumes, os valores e as modas que estamos assimilando. No que se refere ao bem-estar, o vocabulário deve muito ao movimento hippie, que começou nos Estados Unidos e na Europa entre o fim da década de 60 e o início da década de 70. Lá foram plantadas as sementes do estilo de vida que buscamos hoje. “Na ânsia por um mundo diferente, o Ocidente olhou para o Oriente”, diz o filósofo Renato Janine Ribeiro, da Universidade de São Paulo.

O que vivemos agora é, em nível mais rotineiro, o desejo de retomar os valores de paz e amor – algo típico de fim de milênio, quando o homem tende a se preocupar mais com seu destino –, porém sem negar os benefícios tecnológicos e urbanos. “Temos informação suficiente para escolher o melhor dos dois mundos”, afirma o professor Washington Martins, diretor do departamento de filosofia da Universidade Federal de Pernambuco. “O homem ocidental não quer sair de seu mundo, entretanto nessas duas décadas as mudanças foram tão rápidas e a competição tão acirrada que ele se sente saturado. Por isso, toma ar fresco nas culturas milenares, estáveis e valorizadoras do potencial humano”, afirma o professor.

Uma nova medicina
Na medicina, a história é parecida. Ao mesmo tempo que cobramos avanços em medicamentos e exa-mes, queremos um médico que leve em consideração o que sentimos. Pesquisas provam que a relação entre emoção e saúde é mais importante do que se imaginava. O otimismo beneficia o corpo, sim. Daí abrirmos espaço ao que nos ensina a lidar com as tensões físicas e emocionais.
A seguir você conhece as práticas e filosofias que entraram por essa porta e estão circulando de boca em boca.

Acupuntura
A acupuntura chegou ao Ocidente em 1971 por meio de um artigo do jornalista americano James Reston, que descrevia os efeitos positivos da aplicação de agulhas na recuperação de uma cirurgia de apendicite. O objetivo do método é reequilibrar a energia que circula no organismo, prejudicada por causas internas e externas, emocionais ou físicas. Reconhecida no Brasil desde 1995 como uma especialidade médica, a acupuntura é usada no tratamento de insônia, estresse, TPM e ansiedade, entre outros males.

Alimentos Orgânicos
A procura por frutas, legumes, grãos e outros itens sem agrotóxicos está crescendo de 30 a 50% ao ano. Justifica-se: “Eles não estão contaminados por pesticidas com metais pesados, que se acumulam no organismo, e ainda têm o sabor e as propriedades nutricionais preservados”, diz a nutricionista Priscila Maximino, de São Paulo.

Aiurveda
Esse sistema de medicina, criado pelos indianos há mais de 5 mil anos, ganhou adeptos no Brasil pouco tempo atrás. Em 1986, surgiu o primeiro centro dessa medicina em Goiânia (o Hospital de Medicina Alternativa), mas só em 1999 surgiu a Associação Brasileira de Aiurveda (Abra), que conta com aproximadamente 120 membros. “Em parte, a popularização do método se deve aos livros do médico indiano Deepak Chopra (veja boxe na última página desta reportagem) e ao crescente interesse pela cultura indiana”, explica Anderson Moreira da Rocha, presidente da Abra. A abordagem terapêutica inclui fitoterapia, exercícios físicos, dieta, meditação, ioga, massagens e automassagens, como a da foto, para amaciar a pele.

Antioxidantes
A ingestão das vitaminas C e E e de betacaroteno (pré-vitamina A) minimiza os efeitos do envelhecimento. Elas ficaram conhecidas como antioxidantes porque combatem a oxidação das células – um processo natural, mas que tende a acelerar com a ação do sol, do cigarro e da poluição, levando ao enferrujamento celular precoce. Budismo
O verdadeiro boom no Ocidente aconteceu em 1990, quando celebridades como Tina Turner e Richard Gere afirmaram estar professando seus ensinamentos. Essa junção de filosofia e religião criada pelo príncipe Sidarta Gautama (o Buda) na Índia, há cerca de 2,5 mil anos, já cativou 400 milhões de seguidores no mundo. “Um de seus princípios básicos é transformar as condições adversas em caminhos promissores”, explica a monja Kelsang Pälsang, de São Paulo. Algumas das premissas do budismo são a transitoriedade das coisas, o desapego e a compaixão. Com ele, as práticas de meditação ganharam força.

Aromaterapia

Ela estimula o bom funcionamento do organismo por meio dos aromas. Inalados, os óleos essenciais aromáticos chegam ao cérebro, onde fazem disparar uma série de reações hormonais. Em contato com a pele, atingem a corrente sanguínea. Os efeitos são físicos e emocionais. O óleo essencial de lavanda, por exemplo, é cicatrizante e calmante. A terapia conquistou o Brasil no fim dos anos 90.

Cabala
Essa ciência, que teve origem no antigo Egito, ganhou os holofotes recentemente por causa da cantora Madonna, que passou a seguir seus fundamentos e a se dizer mais calma, centrada e serena. Estrelas como Britney Spears e Demi Moore aderiram rapidamente à novidade, que se espalhou pelo mundo – há quem amarre a fita vermelha (símbolo da tradição cabalística) no pulso esquerdo como um acessório fashion. Rabinos e estudiosos da cultura judaica, no entanto, observam com cautela essa febre, pois consideram a cabala algo muito profundo e que leva anos para ser compreendida. Os verdadeiros cabalistas trabalham a consciência, a vontade, o sentimento e o intelecto por meio de letras e palavras sagradas.

Chacras
A figura de um corpo com uma linha central e sete pontos – cada um de uma cor – distribuídos entre a base da coluna e o alto da cabeça representa os chacras. O termo desembarcou no Ocidente nos anos 70, quando houve um maior interesse pela cultura oriental, em especial a indiana. Segundo ela, o desequilíbrio desses pontos de entrada e saída de energia se traduz em problemas físicos e emocionais. Para harmonizá-los, a medicina indiana propõe massagens, aplicações com cristais e pedras quentes e respirações.

Ch’i
Numa roda de amigos, pelo menos um já ouviu falar em ch’i. Segundo a medicina chinesa, ch’i é a energia vital presente em cada um de nós e no planeta. É a essência de tudo. (No aiurveda, chama-se prana.) Ela flui em nosso corpo nos meridianos – linhas localizadas bem abaixo da pele – e pode se manisfestar como uma energia yin (feminina) ou yang (masculina).

Feng Shui
À medida que a China entrou na moda, outro marco dessa cultura despertou a atenção: o Feng Shui. Essa técnica de harmonização de ambientes ganhou popularidade entre nós na década de 90. “O boom provavelmente aconteceu devido ao crescimento desorganizado dos centros urbanos e à busca por meios que tornassem a casa um refúgio”, acredita o consultor Maurício de Freitas, especialista em Feng Shui da Escola da Forma, de São Paulo. Baseado na análise da circulação da energia ch’i em casas e empresas, o método visa, por meio de cores, objetos e posicionamento de móveis, revitalizar as oito áreas da vida (Trabalho, Espiritualidade, Família, Prosperidade, Sucesso, Relacionamentos, Criatividade e Amigos) para que tragam equilíbrio, paz e energias positivas. O ba-guá é o gráfico através do qual o especialista localiza as áreas da vida na planta geral do ambiente.

Florais

Especialista em bacteriologia, imunologia e saúde pública, o médico inglês Edward Bach descobriu na década de 30 as 38 essências florais que ajudam a tratar males emocionais, como medo, ciúme, inveja, rigidez e falta de autoconfiança. A energia vital das plantas, concluiu Bach, tem ressonância com os padrões emocionais e por isso restaura o equilíbrio e ajuda a aceitar desafios com mais facilidade. Anos após sua morte, em 1936, foi criada uma fundação com seu nome. Atualmente, a Organização Mundial da Saúde classifica os florais como remédios. O mais famoso é o Rescue, um tipo de pronto-socorro emocional em gotas. Nas últimas duas décadas, esse conhecimento ganhou raízes em várias partes do mundo e são feitos florais de espécies provenientes de dezenas de lugares, como Califórnia, Amazônia e Austrália.

Homeopatia
Esse tratamento, à base de substâncias provenientes dos reinos vegetal, mineral e animal, foi criado há mais de 200 anos pelo médico alemão Sammuel Hahnemann e se destaca por privilegiar os aspectos saudáveis do paciente e não a doença. No Brasil, onde chegou na década de 40, depois de muitas críticas a homeopatia foi reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina, em 1980. A partir de 1998, passou a ter cobertura obrigatória nos planos de saúde. Os remédios naturais são indicados para adultos e crianças em tratamentos específicos ou para a prevenção e a manutenção da saúde.

Ioga
Asanas e pranayamas, ou traduzindo, posturas e exercícios respiratórios, foram termos sânscritos que entraram para nosso cotidiano por conta da ioga e de suas várias linhas: kundalini, raja, hata, bhakti, ashtanga e iyengar, entre outras. Atualmente, essa prática, que melhora a flexibilidade, a respiração e a concentração, invadiu academias – pois também ajuda a fortalecer a musculatura –, espaços alternativos e mídia. No Rio de Janeiro, no ano passado, aconteceu o segundo encontro internacional de ioga, que reuniu conceituados professores daqui e do mundo. Nos Estados Unidos, calcula-se, já são cerca de 15 milhões de praticantes. Filosofia de vida nascida na Índia há mais de 5 mil anos, ela integra mente, corpo e espírito. A linguagem iogue inclui uma saudação típica: o namastê, que significa “o Deus que há em mim saúda o Deus que há em você” e já se tornou familiar por aqui também.

Mantra
“Omm, omm, omm.” O mais antigo dos mantras é esse som, repetido há milênios. Existem outros. Eles são compostos por sílabas sagradas, que, recitadas repetidas vezes, têm uma vibração capaz de interromper o fluxo de pensamento, dissolver as tensões e aumentar a clareza mental. Por isso, são usados em práticas meditativas.

Meditação
O processo de não pensar em nada, fechar os olhos e prestar atenção apenas na respiração – que deve ser leve e ritmada – ganhou força nos últimos anos como alívio para o estresse. Mais de mil estudos médicos e científicos confirmam os benefícios dessa prática milenar contra a ansiedade e a insônia, principalmente. Isso fez com que a meditação fosse incorporada à vida nas grandes cidades.

Permacultura
A definição de permacultura (que significa cultura permanente) foi dada na década de 70 pelo professor australiano Bill Mollison, que esteve no Brasil na década passada para ministrar cursos em Porto Alegre. Pode-se dizer que se trata de um modo de vida comprometido com o meio ambiente. De acordo com Marcelo Bueno, presidente do Instituto de Permacultura e Ecovilas da Mata Atlântica (Ipema), “precisamos buscar soluções para diminuir o impacto do estilo da vida moderna no planeta”. Um permacultor utiliza materiais recicláveis, consome alimentos orgânicos, cultiva uma pequena horta, usa lâmpadas econômicas, toma banhos rápidos. Quem sabe ele sonha morar em uma ecovila – condomínios planejados com o máximo de respeito às energias renováveis...

Reciclagem
Três erres entraram para o vocabulário de quem está antenado com a preservação do planeta: R de redução, que evita o consumo de produtos desnecessários (é o chamado consumo consciente), R de reutilização, que recomenda o reaproveitamento de embalagens e R de reciclagem. A coleta seletiva também surgiu nas últimas décadas, intensificando a separação do lixo doméstico.

Reiki

Criado pelo monge tibetano Mikao Usui no fim do século 19, consiste na canalização de energia por meio da imposição das mãos. Pode ser usado contra dores de cabeça, tensões e estresse. Apesar de fundamentado nos princípios budistas, o reiki não é uma prática religiosa, e sim uma terapia considerada complementar pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Spa
O nome vem da cidade Spa, uma famosa estância hidromineral do leste da Bélgica. Nos anos 80, a principal missão dos spas era oferecer tratamentos integrados de saúde e beleza – muitos ofereciam cardápios de baixas calorias, o que gerou a idéia, comum até hoje, de que se trata de um lugar aonde se vai para emagrecer. Atualmente, o conceito abrange outras esferas do bem-estar, incluindo terapias complementares, e os spas podem estar situados na área urbana (em hotéis, por exemplo).

Taoísmo
Base da filosofia oriental, seus princípios estão resumidos no Tao Te King, ou o Tratado do Caminho da Virtude, escrito pelo sábio chinês Lao Tsé há 3,2 mil anos. São lições de como cultivar simplicidade, humildade e alegria no cotidiano. Esses ensinamentos são transmitidos na Sociedade Taoísta do Brasil, fundada em 1990, em São Paulo.

Terapia Holística
Do grego holos, que significa “totalidade”, essa terapia trata a pessoa analisando os aspectos físicos, emocionais e espirituais. Inclui florais, massagem, aromaterapia e outras práticas.

Vegetarianismo
Mesmo quem não elimina o consumo de carne aceita vez ou outra trocar o bife com fritas pela soja com brócolis. A razão está associada à suspeita de que a gordura presente na carne aumente a taxa de colesterol e infarto. Difundido como um estilo de vida pelos hippies, o vegetarianismo virou sinônimo de alimentação saudável.

Zen
Escola do budismo surgida na China do século 6 d.C. e levada para o Japão no século 12. A essência das práticas zens é não pensar em nada. Com a propagação das técnicas orientais, o termo passou a definir um estado de paz. Então, estar zen é estar tranqüilo. Os praticantes assíduos buscam um estado de iluminação, equivalente à quebra do pensamento lógico, que é obtido por meio da meditação. No Brasil, o Mosteiro Zen do Morro da Vargem, no Espírito Santo, foi fundado em 1974.

Os gurus
Dalai Lama (A autoridade máxima dos tibetanos)
O título de dalai-lama (traduzido como Oceano de Sabedoria) corresponde ao de líder espiritual e chefe de estado do Tibete. Considerado uma reencarnação do Buda da Compaixão, que escolheu voltar à Terra para servir ao povo, o atual dalai-lama foi reconhecido aos 2 anos de idade como o sucessor do 13o dalai-lama. Após uma rigorosa preparação, que incluiu o estudo de budismo, história e filosofia, assumiu o poder político em 1950, ano em que o Tibete foi ocupado pela China. Em 1959, exilou-se na Índia, onde vive até hoje. Em reconhecimento a sua campanha pacifista para acabar com a dominação chinesa em seu país, ele ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1989.
Seu sorriso, seus ensinamentos e seus pensamentos de extrema pureza conquistaram os ocidentais. Também publicou dezenas de livros. Entre eles, A Arte da Felicidade (ed. Martins Fontes), em parceria com o psiquiatra americano Howard C. Cutler, é o mais aclamado. A obra ensina como lidar com as inúmeras facetas do cotidiano e a transpor os obstáculos da vida de maneira mais serena e tolerante.

Deepak Chopra (Médico e filósofo indiano)
De origem hindu e radicado nos Estados Unidos desde a década de 70, Chopra é endocrinologista e estudioso de reputação internacional. Foi um dos responsáveis pelo conceito de terapia holística, que se alastrou pelo mundo a partir da década de 80, e pela divulgação do aiurveda (o sistema de cura indiano). Já escreveu mais de 30 livros, traduzidos para 35 idiomas, somando mais de 20 milhões de exemplares vendidos. Desde 1992, dirige o Chopra Center for Well Being, na Califórnia, onde ministra cursos e seminários. Em 1999, a revista Time incluiu seu nome na lista dos 100 ícones e heróis do século, descrevendo-o como o poeta profeta da medicina alternativa. Suas obras de maior repercussão são Torne-Se Mais Jovem, Viva Mais Tempo (ed. Rocco) e As Sete Leis Espirituais do Sucesso (ed. Best Seller).

Louise Hay (A mãe da auto-ajuda)
Nascida na Califórnia, nos Estados Unidos, Louise Hay teve uma vida sofrida até mudar para Nova York, onde passou a freqüentar e trabalhar na Igreja da Ciência Espiritual. Lá começou a fazer palestras e atrair um público cada vez maior, que a procurava em busca de conselhos. Baseando-se nessas experiências, ela publicou em 1976 o livro Cure Sua Vida, em que expunha suas descobertas sobre as causas psíquicas dos males físicos. Relançado em 1988 com o título Ame-Se e Cure Sua Vida (ed. Best Seller), o livro tornou-se um estrondoso sucesso mundial – foi o pioneiro no segmento de auto-ajuda. Louise escreveu 27 livros, lançados em 30 países. Hoje dirige a Hay House, uma editora de auto-ajuda, e duas instituições sem fins lucrativos que prestam assistência a pacientes com aids e a vítimas de discriminação e violência.

Texto: Kátia Stringueto
Reportagem: Heloísa Noronha

MATÉRIA DA REVISTA BONS FLUIDOS EDITORA ABRIL MARÇO 2005

 

 


Indique este site

 

20/4/2019
2 visitantes on-line

BEM ESTAR É O MELHOR PRESENTE!

 

Presenteie com Day Spa

Clique e saiba mais


FIQUE EM FORMA COM SAÚDE!

 


TRATAMENTOS DE REDUÇÃO DE MEDIDAS

Clique e saiba mais













 










...::: OÁSIS SPA URBANO :::.... O espaço de seu bem estar!

   2002-2019 ©.